Avião aplicando agrotóxico sobre plantação

Em 15 de junho de 2015, um menino de sete anos morreu depois de comer uma couve que estava contaminada com agrotóxicos, em uma fazenda de Porto dos Gaúchos, perto de Cuiabá, onde morava com os avós. A suspeita é de que houve excesso na quantidade de pesticida ou aplicação incorreta. O agricultor informou que pulverizou o mesmo produto que usa nas plantações de soja, milho e algodão. O caso ainda está sendo investigado.

No dia 03 de maio de 2013, um avião agrícola sobrevoou uma escola pública localizada no Assentamento Pontal dos Buritis, em Rio Verde, GO, intoxicando dezenas de alunos e alguns professores. A aeronave estava pulverizando inseticida para combater as pragas de uma lavoura. O incidente que colocou mais de 30 alunos e professores no hospital, ainda está sendo investigado.

Estes dois casos trágicos precisaram atingir diretamente as crianças para chamar atenção dos consumidores das grandes cidades e da mídia. No entanto, a exposição direta aos agrotóxicos de maneira inadequada é uma constante na vida dos trabalhadores rurais desde de o início de sua utilização no Brasil.

Os agrotóxicos são substâncias químicas ou biológicas usadas para matar insetos ou plantas no ambiente rural e urbano, que entraram no país na década de 60. A partir de 1975, com o Plano Nacional de Desenvolvimento (PND), ocorreu um verdadeiro boom na utilização de agrotóxicos no trabalho rural. O agricultor era obrigado a comprá-los para obter recursos do crédito rural.

O uso de agrotóxicos no Brasil assumiu grandes proporções na última década, aumentando as compras de US$ 2 bilhões para mais de US$7 bilhões entre 2001 e 2008, o que correspondeu a 986,5 mil toneladas de produtos aplicados. Em 2008, o Brasil ultrapassou os Estados Unidos e assumiu o posto de maior mercado consumidor de agrotóxicos do mundo. Em 2009, ultrapassamos a marca de 1 milhão de toneladas, o que equivale a um consumo médio de 5,2 kg de veneno agrícola por habitante. Em 2011, ultrapassamos o valor de US$ 8,5 bilhões em gastos.

Um dos motivos para este vertiginoso aumento do uso de agrotóxicos foi a introdução dos transgênicos no Brasil, visto que o cultivo das sementes geneticamente modificadas exigem o uso de grandes quantidades dos agroquímicos.

Os mais afetados pelo uso de agrotóxicos são os trabalhadores expostos no momento da manipulação, aplicação e colheita, que são executadas muitas vezes sem o uso de equipamentos de proteção individual (EPI’s). A maioria não utiliza estes equipamentos por falta de conhecimento, falta de treinamento ou por não terem acesso aos mesmos.

Os agrotóxicos são absorvidos pelo corpo humano pela via respiratória e dérmica e, em menor quantidade, pela via oral. Os agravos à saúde são classificados principalmente em dois tipos: as intoxicações agudas e crônicas. As intoxicações agudas acometem, principalmente, as pessoas expostas em seu ambiente de trabalho, sendo caracterizadas por efeitos como irritação da pele e olhos, coceira, cólicas, vômitos, diarreias, espasmos, dificuldades respiratórias, convulsões e morte. Já os efeitos associados à exposição crônica são infertilidade, impotência, abortos, malformações, neurotoxicidade, desregulação hormonal, efeitos sobre o sistema imunológico, suicídio e câncer. Os efeitos adversos decorrentes da exposição crônica podem aparecer muito tempo após a exposição, dificultando a correlação com o agente.

Efeitos e/ou sintomas agudos e crônicos dos agrotóxicos

 Efeitos e/ou sintomas agudos e crônicos dos agrotóxicos

Outra grande parcela da população afetada por estas substâncias são as que moram próximas às áreas de utilização dos agroquímicos. Além disso, a biota (fauna, flora e outras formas de vida) também é fortemente afetada, causando desequilíbrio ecológico e afetando lugares mais distantes da contaminação inicial.

Em uma pesquisa realizada em 2002 na região da Microbacia do Córrego de São Lourenço, Município de Nova Friburgo, RJ, foram avaliadas a comunicação de rótulos e embalagens químicas, a contaminação ambiental e humana. Em 30% dos agricultores participantes, foram detectados sinais e sintomas de intoxicação aguda e crônica, dentre eles quadro de polineuropatia periférica (dano no sistema nervoso periférico) e alterações comportamentais que levam a distúrbios do sistema nervoso central. Quanto à problemática ambiental, foram observados níveis elevados de contaminação, podendo ter impacto significativo sobre a biota. Sobre a comunicação, nenhum dos participantes conseguiu interpretar a totalidade das mensagens contidas nas figuras dos rótulos e bulas, bem como alguns dizeres, figuras e representações gráficas de procedimentos de uso e descarte.

Em outra pesquisa realizada em 2005 com agricultores da Serrinha do Mendanha, município de Campo Grande, RJ, foram aplicados questionários para avaliar o nível de entendimento dos agricultores sobre os agrotóxicos e o impacto na saúde. Nesta, a maioria reconhece a importância do uso dos EPI’s, mas na prática pouco utilizam devido ao desconforto, falta de recursos financeiros e pela questão cultural (vergonha). Com relação a gravidade do uso de agrotóxicos, a maioria entende que é prejudicial à saúde, mas prefere continuar utilizando na busca de uma boa safra. Quanto aos casos de intoxicação, aproximadamente 20% dos agricultores entrevistados relataram tal experiência enquanto outros 60% disseram conhecer familiares ou vizinhos já intoxicados na região. Cabe ressaltar que no Brasil o ensino educacional no meio rural apresenta muitas deficiências e percentuais expressivos de analfabetismo, contribuindo para o agravamento da contaminação deste trabalhador.

O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo

 

Um levantamento realizado em 2007 na região serrana do Estado do Rio de Janeiro, mostrou os principais impactos do uso de agrotóxicos na olericultura (exploração de hortaliças) para a saúde humana, como: elevada incidência de mortes por cânceres de estômago, esôfago e laringe entre homens agricultores no período de 1979 a 1998, comparado a outras populações masculinas da mesma faixa etária; possível associação entre a exposição a agrotóxicos organoclorados e distúrbios reprodutivos; inibição da atividade da tireoide pelo uso de mancozeb e amitrol; aparecimento de alguns tipos de cânceres hormônio-dependentes relacionados ao uso de herbicidas triazínicos.

De acordo com a OMS, cerca de 30% dos suicídios no mundo são devidos às intoxicações por agrotóxicos, e a maioria deles ocorrem em países em desenvolvimento e de baixa renda (dados globais de 1990 a 2007).
A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou em 2014 o relatório “Prevención del suicidio”, (Prevenção do Suicídio), tendo em vista que os suicídios se tornaram um grave problema em escala global. De acordo com a pesquisa, a ingestão intencional de agrotóxicos por via oral pelos trabalhadores rurais alcança a impressionante marca de 30% dos métodos mais comuns de suicídio em todo o mundo.

Ainda segundo a OMS, a comercialização de agrotóxicos não foi acompanhada das devidas medidas nos países em desenvolvimento, que deveriam dificultar o acesso, controlar a venda e reduzir o nível de toxicidade dos produtos, tendo em vista que são muitos os transtornos psíquicos causados pela exposição aos agrotóxicos, dentre eles a depressão e a ansiedade.

Estes dados mostram a necessidade de avaliação e controle dos vários fatores que contribuem para a contaminação por agrotóxicos. O incentivo do governo para adotar práticas alternativas como a agroecologia é extremamente necessário. Para isso, empresas e sociedade devem estar unidos para garantir a qualidade de vida do trabalhador rural e da população, consumidora destes alimentos, bem como garantir a sustentabilidade do meio ambiente. Quanto mais optarmos pelo consumo de alimentos livres de agrotóxicos, menos trabalhadores estarão expostos a estes produtos químicos. Não se trata apenas da sua saúde, mas da saúde de todos que ajudam a colocar o alimento no seu prato. O meio ambiente agradece.

Bibliografia:

  1. Silva JM Da, Novato-Silva E, Faria HP, Pinheiro TMM. Agrotóxico e trabalho: uma combinação perigosa para a saúde do trabalhador rural. Cien Saude Colet [Internet]. 2005;10(4):891–903. Available from: http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n4/a13v10n4.pdf
  1. Londres F. Agrotóxicos no Brasil: um guia para ação em defesa da vida [Internet]. Rio de Janeiro, RJ; 2011. Available from: http://www4.planalto.gov.br/consea/biblioteca/documentos/agrotoxicos-no-brasil.-um-guia-para-acao-em-defesa-da-vida
  1. Carneiro F, Augusto L, Rigotto R, Friedrich K, Búrigo A. Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde [Internet]. Rio de Janeiro, RJ; São Paulo, SP; 2015. Available from: http://www.abrasco.org.br/dossieagrotoxicos/wp-content/uploads/2013/10/DossieAbrasco_2015_web.pdf
  1. de Brito PF, Gomide M, Câmara VDM. Agrotóxicos e saúde realidade e desafios para mudança de práticas na agricultura. Physis [Internet]. 2009;19(1):207–25. Available from: http://www.scielo.br/pdf/physis/v19n1/v19n1a11.pdf
  1. Moreira JC, Jacob SC, Peres F, Lima JS, Meyer A, Oliveira-Silva JJ, et al. Avaliação integrada do impacto do uso de agrotóxicos sobre a saúde humana em uma comunidade agrícola de Nova Friburgo, RJ. Cien Saude Colet [Internet]. 2002;7(2):299–311. Available from: http://www.scielo.br/pdf/csc/v7n2/10249.pdf
  1. Peres, Frederico; Moreira JC. Saúde e ambiente em sua relação com o consumo de agrotóxicos em um pólo agrícola do Estado do Rio de Janeiro , Brasil. Saúde, Ambient e Agrotóxicos [Internet]. 2007;(23):612–21. Available from: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v23s4/13.pdf
  1. Silva E. Impacto da utilização de agrotóxicos sobre a saúde dos idosos em Cachoeira do Sul/RS: um estudo transversal [Internet]. Lajeado, RS; 2008. Available from: https://www.univates.br/bdu/bitstream/10737/54/19/EvelineSilva.pdf
  1. Cocco P. On the rumors about the silent spring. Review of the scientific evidence linking occupational and environmental pesticide exposure to endocrine disruption health effects. Cad Saude Publica [Internet]. Jan [cited 2015 Jul 27];18(2):379–402. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11923880
  1. Opas OP-ADS. Manual De Vigilância Da Saúde De Populações Expostas a Agrotoxicos. 1997;69. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/livro2.pdf
  1. Organización Panamericana de la Salud, Organización Mundial de la Salud. Prevención del suicidio un imperativo global [Internet]. Washington, DC; 2014. 94 p. Available from: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/136083/1/9789275318508_spa.pdf?ua=1
  1. Prada P. SPECIAL REPORT – ­ Why Brazil Has a Big Appetite for Banned Pesticides [Internet]. 2015 [cited 2015 Jul 27]. p. 1–5. Available from: http://www.medscape.com/viewarticle/842540?src=mkm_int_hotbr_in_0715&impID=766473
  1. Nascimento E, Zago A. Avião agrícola sobrevoa escola e intoxica dezenas de crianças, em GO [Internet]. 2013 [cited 2015 Jul 27]. p. 1–13. Available from: http://g1.globo.com/goias/noticia/2013/05/aviao-agricola-sobrevoa-escola-e-intoxica-dezenas-de-criancas-em-go.html
  1. Soares D. Menino de 7 anos morre intoxicado após comer couve em Mato Grosso Polícia abriu inquérito para apurar se houve erro na aplicação de agrotóxico . [Internet]. 2015 [cited 2015 Jul 27]. p. 1–20. Available from: http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2015/06/menino-de-7-anos-morre-intoxicado-apos-comer-couve-em-mato-grosso.html
  1. Soares D. Marido de avó de criança morta após comer couve deve ser indiciado Polícia diz que produtor deve responder por homicídio culposo em MT . [Internet]. 2015 [cited 2015 Jul 27]. p. 1–11. Available from: http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2015/06/marido-de-avo-de-crianca-morta-apos-comer-couve-deve-ser-indiciado.html
  1. Bombardi L. Intoxicação e morte por agrotóxicos no Brasil : a nova versão do capitalismo oligopolizado. MstOrgBr [Internet]. 2010;1–21. Available from: http://www2.fct.unesp.br/nera/artigodomes/9artigodomes_2011.pdf